Posted by : CanasOminous Jun 27, 2014

Ilustrações do Mangá feitas por Nyx.

    Dizem que as pessoas perdem noção de tudo ao seu redor quando a raiva as consome. Diante de uma ira iminente não há muito a se fazer, além de sair do caminho.
Watt mal podia acreditar no que seus olhos lhe contavam. Aerus Draconeon, o líder da Fire Tales, realmente havia entrado em combate? General vivia lhe aconselhando a guardar suas forças para os duelos finais, para os momentos em que realmente precisassem; mas falar com aquele Garchomp teimoso era o mesmo que jogar todas as suas palavras ao relento. Elas não faziam mais sentido algum. Principalmente agora.
Sonnen e Aerus se destruíam no campo de batalha. O Gallade carregava tantas armas que tinha disponível e cada uma delas parecia ter vida própria, uma história particular, uma experiência a ser compartilhada. O exército de um só homem, era como o chamavam. Diante de tamanha perícia, poucos eram capazes de fazer frente.
A raiva dentro do coração de Aerus era intensa demais para que ele se pronunciasse. Seus gestos refletiam o que estava em seu coração  um ódio incomparável, um sentimento de injustiça, ingratidão —, mas ao mesmo tempo, o sentimento de que sua função ali nada mais era do que justamente aquela. Cumprir com o que lhe era incumbido. Afinal, não era esta a obrigação de um Pokémon?


— G-General, ele está saindo do controle! — alertou o pequeno Watt.
— É o Outrage, uma das técnicas supremas dos dragões — Seth respondeu logo ao lado. — Ainda me lembro de quando o ensinei a libertar seu poder e controlá-lo, mas a diferença é que quando usado, ele não é capaz de ser parado.
— Mas meu irmão ainda pode distinguir o certo e o errado? — indagou Watt.
Seu companheiro alado acenou com um gesto da cabeça.
— Sim, ele ainda é o Aerus Draconeon que conhecemos — explicou-lhe o Dragonite. — Mas o que mais o aflige é justamente o fato de que levaram um pedaço do coração dele. Uma pequena e singela parcela, uma ferida que nenhum outro oponente tinha conseguido até hoje.
— Ser apunhalado no peito não teria machucado tanto quanto um amigo que lhe é tirado — continuou General, austero e atento com a batalha que se seguia.
De todos os membros da Fire Tales, o militar era quem mais pedira para que Aerus tentasse manter o controle. Na Primeira Casa, tudo havia ocorrido suficientemente bem para que o dragão se acalmasse e tivesse confiança o suficiente de que tudo daria certo na Liga Pokémon, tudo terminaria bem. Mas a realidade se evidenciara, revelando a dura dualidade que se esperava ignorar até quanto tivesse a oportunidade.
As duas armas em seu antebraço estavam ativadas, as lâminas rodopiavam como furacões vermelhos que perfuravam até mesmo o pilar mais sólido presente no estágio. Aerus era temido por toda uma nação, muitos ouviam falar de seus feitos, o poderoso dragão dos olhos dourados, mas a sua fama o precedia. Era a primeira vez que participava de uma Liga Pokémon, não tinha tanta experiência quanto os demais. Enfrentara os membros clonados na Ilha de Ferro e derrubou lendários no topo do Spear Pillar. Mas encarar a dor da guerra, a dor de uma perda... Essa era a primeira vez.
Sonnen mostrava sua verdadeira habilidade como um comandante, um líder que parte diretamente para a linha de combate frente a frente de seus inimigos. Se até então ele vinha lutando no mesmo nível de Sophie, agora parecia que tudo aquilo não passara de uma encenação barata de duas crianças que brincam com espadas de madeira. Agora sim Sonnen carregava suas armas com uma precisão mortal, partia com seu arsenal completo de técnicas e atacava para matar.
Investiu com velocidade, retirou duas espadas da bainha e golpeou-as com velocidade contra as ombreiras de ferro de Aerus que aguentaram firme o tranco, mas terminaram com um corte tão profundo que chegou a rasgar sua pele. O dragão não estava em condições de hesitar pelo machucado, mas se não tivesse seguido os conselhos do ferreiro Chaud e reforçado sua armadura, provavelmente teria saído dali sem os dois braços.
Sonnen mantinha o cenho franzido. Do seu rosto, uma gota de suor escorria.
— Eu sou Sonnen, o mestre espadachim, membro dos renomados Remarkable Five, e não permitirei que você passe — disse o Gallade, como se aquela fase automática já estivesse pronta desde o começo da luta.
A imagem de Sophie lhe veio à mente, e ele vacilou.



As técnicas de Sonnen não se limitavam mais a usar simples espadas de aço. Quando Aerus o desarmou, o guerreiro psíquico provou porque era o representante daquela casa. Usando duas katanas, uma em cada mão, outras quatro espadas flutuavam ao seu redor e combatiam com a mesma destreza de seu mestre. Uma chuva de faíscas criavam um espetáculo nos ares, Aerus encontrava-se sozinho diante de um dos maiores lutadores do mundo, mas tinha o seu ódio para acompanhá-lo. Não por vingança, mas por determinação. Queria que o sacrifício de Sophie não fosse em vão, queria mais do que nunca terminar tudo aquilo e voltar para casa... Mas ainda era cedo. Cedo demais para voltar.
A lua continuava em seu pico revelando-se grandiosa com toda palidez, como a pele alva de uma mulher que agora repousava inerte e tranquila no cão frio de um céu sem estrelas.
Aerus rebateu as katanas de seu adversário enquanto pôde. Sonnen saltou para longe e dessa vez esticou suas mãos, materializando um imenso machado de guerra com duas lâminas. Seus golpes eram ágeis mesmo com uma arma daquele tamanho, o dragão concentrou-se em esquivar-se e não demorou em acertá-lo no queixo, o que fez Sonnen afastar-se.
— Tenho um arsenal de armas preparadas contra você, nossa luta mal começou — disse o Gallade.
— Nossa luta já acabou — corrigiu Aerus, gritando com todas as suas forças em uma ira incontida. — Acabou antes mesmo de começar, seu jogo está zerado!
— Não costumo perder em minhas partidas. Não gosto de perder — Sonnen continuava sério e com a expressão imóvel, materializando uma arma diferente. Dessa vez era uma longa lança e uma espada com adornos antigos e lâmina dourada. Com apenas suas duas lâminas ocultas, o dragão partiu sem medo algum.
Parecia que algo havia morrido dentro daquele guerreiro tão brincalhão e espontâneo. Sonnen nada temia, agia por impulso como se fosse uma máquina programada para matar. Aerus acertou o chão com força e um pilar de pedras foi disparado contra o Gallade, o Stone Edge. Sonnen deu uma cambalhota para o lado e apreçou-se em esticar um dos braços contra o pilar de pedras pontiagudas que disparavam em sua direção. Usou suas mãos e os poderes psíquicos que lhe foram concedidos para pará-las todas no ar. O tempo ao seu redor parou. Ao fechar os punhos com força, as pedras foram todas esmigalhadas em mil pedaços.
— Aparentemente, os poderes psíquicos dele são fortes o suficiente para representá-lo em uma casa de tipo elementar equivalente — comentou General, ao longe.
Sonnen sempre evitara utilizar aquele tipo de técnica para não lembrá-lo da irmã. E agora, ela estava ali... Tão perto, e ao mesmo tempo, tão distante! O ápice da ironia e da contradição. Demorara anos para reencontrá-la, para que a luta terminasse daquela maneira, com o golpe final vindo de suas mãos.
O Garchomp avançou mais uma vez, e Sonnen o rebateu como se fosse um pequeno inseto indesejado. O dragão recuou ofegante, mas seu corpo ainda queimava e o ódio borbulhava dentro de si. Foi quando pôde observar os olhos de seu inimigo com mais atenção. Inalteráveis. Parecia cansado, mas agia como um soldado que nunca cansa de defender o seu posto. O que mais surpreendeu Aerus durante toda a batalha é que Sonnen não demonstrara remorso. Não havia derrubado sequer uma lágrima.
— Você não sente nada? — indagou o dragão.
— E por que eu deveria? — perguntou Sonnen. — Esta é uma batalha, é a Liga Pokémon. O inevitável pode acontecer, o imprevisível pode surpreender. Nós cumprimos com nossa parte.
As duas armas que estavam com o guerreiro se desmaterializaram, e por fim, Sonnen caminhou em direção de uma simples katana que estava caída no chão. Segurou-a com as duas mãos, e indicou que faria a última batalha daquela maneira, com uma simples arma, colocando em evidência toda sua técnica e velocidade naquele estilo.
— Somos Pokémons, Aerus Draconeon. Nós obedecemos, nós lutamos, nós vencemos. Você pode dizer o que quiser sobre nossa relação com os humanos, mas lutamos pelo sonho dos outros. Você se arrepende?
— De maneira alguma — o Garchomp estufou o peito. Ativou suas lâminas.
— Então não venha me dar sermão sobre o que devo fazer. Minha mente já está aturdida demais para que eu continue de pé e lhe diga palavras que façam algum sentido. Apenas permita que eu dê o meu melhor e lhe prove o motivo de eu estar aqui.
Sonnen brandiu sua espada e avançou, mas a lâmina foi rebatida com tanta força que partiu-se ao meio e disparou longe, acertando um dos pilares. Ele olhou para trás e viu sua lâmina quebrada, — e com ela, um pedaço de sua história, — experimentou uma segunda katana que foi cortada ao meio como se fosse feita de madeira. Ele era uma nação que caminhava em direção da guerra com todos os seus soldados, mas sem a esperança da vitória.
Aerus não dizia sequer uma palavra, seus olhos não tinham expressão, e pela primeira vez Watt pôde vê-lo em seu estado de frenesi. Agradeceu por não estar em seu caminho, mas não conseguia concentrar-se na batalha com o corpo caído no chão.
— E-Eu ainda não acredito... — Foi tudo que Watt conseguiu dizer ao ver aquela cena. Ninguém imaginava que o fim seria daquela maneira.
Sonnen foi desarmado mais uma vez, um feito que não ocorrera desde que começara a treinar nas terras distantes para tornar-se o melhor guerreiro do mundo. Três de suas espadas haviam sido derrotadas, ainda tinha muitas a usar, mas a pergunta que continuava a matutar em sua mente era: 
Por que? — ele pensou. Por que sempre aparecem pessoas mais fortes do que nós para acabarem com tudo? Nós nos julgávamos como os melhores... Será que é impossível ser o melhor em algo, ou ainda preciso treinar muito mais?
Com um movimento rápido de sua lâmina, o Psycho Cut se fez no ar, mas nada atingiu além de poeira e pilares destroçados. Recebeu um soco na nuca, revidou com uma velocidade impressionante, mas só viu poeira novamente. Aerus movimentava-se agora fazendo com que Sonnen parecesse um homem preso à correntes de chumbo.
Será que nunca é o bastante?
Não tinha mais tempo de brincar, nem se lembrava do que estava fazendo ali. Sentiu o peitoral sangrar, assim como seu braço direito e suas pernas que já pediam para não movimentar-se. Olhou para um dos lados, e a viu caída — imóvel. Encontrou nos olhos fechados da irmã a sina que já o aguardava com as mãos entrelaçadas e um sorriso no rosto, como se insinuasse: Eu estava te esperando.



— Acabou, Sonnen — disse o dragão. — Você foi derrotado.
Sua última katana deslizou de sua mão e caiu, desfazendo-se no ar. O corpo cambaleou e tentou manter-se firme, mas já não conseguia. Não era como aguentar os treinos de resistência debaixo de uma cachoeira, dessa vez, ele não queria mais levantar. Não encontrava mais a força que antes existia para seguir em frente.
— Sophie... Irmã... — Sonnen sussurrava com a voz baixa na tentativa de segurá-la, mas sem sucesso. Suas mãos tremiam. Só queria poder segurá-la. — Irmã... Irmã... Maninha...
Quem seria o culpado por aquilo? Seu treinador? Seus adversários? A guerra? Ele próprio? Por segundos que mais pareciam anos, Sonnen lutou contra seus próprios pensamentos que o dominavam e torturavam seu coração. Talvez no fim das contas era ele quem não soube lidar com suas obrigações, que permitiu que Sophie o deixasse e se distanciasse aos pouquinhos. Ah, era tudo culpa da vida! Como pôde deixar que ela levasse sua irmã para onde não pudesse alcançá-la?
Por um momento, pensou se era ele quem não tinha admitido crescer, assim como não conseguia simplesmente aceitar a morte, agora que a via tão de perto. Seus olhos começaram a escurecer. Sonnen sabia que logo estaria com ela.









— Vocês não precisam ver isso — disse Al Capone, abraçando Lyndis com mais força contra seu peito.
Naquela casa, não houve vitória. Também não houve comemoração, porque não haveria nenhuma garçonete sorridente para recebê-los no bar quando saíssem vitoriosos. Não haveria nenhuma enfermeira para lhes dar conforto quando as cicatrizes da guerra apertassem seu peito, e nem mesmo uma boa companhia para compartilhar a cama quente quando o sono não chegasse. Olhou em direção de General que devolveu-lhe um cumprimento, mas nada disse. Apenas indicou que deveriam continuar. Os derrotados deveriam ficar para trás.
O jogo tinha acabado para alguns, mas, por um momento, Aerus pensou se não teria sido melhor nem começá-lo. 







      

{ 13 comments... read them below or Comment }

  1. Canas, eu vou te matar...É a primeira vez que AeS me fez derrubar lágrimas...De verdade, minha vista ta embaçada... Droga !

    Enfim, a atuaçao do Aerus me deixou empolgada. E a cada golpe dele eu gritava, vai, mata ele!
    E ele o fez! Mais uma casa! RUMO A VITÓRIA!

    Droga, ainda to chorando! Como faz isso?!
    Acho que vou ficar de luto por uma semana.

    Vou roubar a expressao da Anne : Feels ;----;

    Não sek se fico feliz ou triste. O Sonnen é fdp, mas quando você leva ele pelo lado sentimental, você chora.

    O problema é que eu chorei em saber que nunca mais viria a Sophie nas histórias...E isso me faz chorar, saber que a pessoa nao estará mais presente fisicamente.

    Enfim, eu me alegro que estamos mais perto da vitória. LET'S GO! GO FIRE TALES!

    Ps: Nao pense que foi drama, eu chorei mesmo...

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olha só, já posso contar para a Nyx que nosso objetivo está cumprido, fizemos alguém chorar! kk Mentira, acho que a galera também deve ter derrubado algumas lágrimas na Primeira Casa... Isso porque eu achava que vocês só iriam se emocionar lá para o finalzinho. E pra você ter noção, a luta final dessa bendita fic é tão foda que até eu sinto vontade de chorar quando vejo os primeiros rascunhos. Mano, quando uma história que o próprio autor escreve e sabe o final o fizer chorar é porque a situação tá crítica kk Preparando-me psicologicamente desde agora.

      Pra falar a verdade, até uns tempos aí nunca acreditei muito bem quando alguém falava: "Nossa, chorei lendo isso!" Ás vezes eu ficava pensando: "E se a pessoa tá só sendo sensacionalista? Aí digita toda emotiva, e na verdade tá no face rindo e falando com as amigas?" Sempre duvidei dessa parte das lágrimas, mas parando pra ler os comentários de vocês com mais atenção, eu realmente sinto que a história está afetando vocês, sabe? É legal porque sei que atingi meu objetivo kkk Mas também é triste por deixar meus leitores tristes! D: É muita maldade brincar com os sentimentos das pessoas... Ahh, nem sei mais o que fazer, melhor eu continuar matando os personagens pra acabar logo! Quero dar logo o Max Revive pra poder voltar a usá-los kkkkkkkkkkk

      Olha, de todos os vilões da Liga, posso dizer que o Sonnen é o menos desgraçado. Ele não fez isso por querer, sabe? Ele é um Pokémon, é a essencial dele! Nós nunca vemos um Pokémon sair correndo da luta por não querer enfrentar o outro, não importa quem seja, eles ficam firmes e lutam até o fim. É triste, mas acredito que ele teve de deixar seus sentimentos de lado por um motivo maior: Honra. Pra ele acabou, é como se tudo fosse um jogo e ele jogou até onde dava. Vai por mim, ainda é cedo pra começar a ficar com raiva de alguém, o Mikau nem entrou pra valer! kkk

      Ei, mas me desculpe pelas lágrimas... Prometo que compenso com uma cena mais feliz daqui um tempo, e com muitos Max Revives kk Continuaremos torcendo pela Fire Tales. E não se esqueçam que tanto Suíça quanto Argélia passaram pras oitavas na Copa do Mundo, ou seja: SOPHIE E SONNEN ARE BACK! UHUULES! kk See ya!

      Delete
  2. Ai cara que capitulo fodastico cara eu li cada palavra, e para ser bem sincera tinha menos sangue do que eu imaginava(me apedregem :-P) ah cara essa foi uma batalha sinceramente epicamente épica, mas no filnal me deixou uma duvida, como o sonnen não morreu em cara?
    Bem mas vc vai fazer aquela sua macumba de sempre para ressucitar os Pokémons assim como vocêfez com a tashiki n vai(é claro que vai:-])

    By. Shadow Pokabu

    ReplyDelete
    Replies
    1. Poxa, mas eu também não sou assim tão mal a ponto de fazer meus personagens sofrerem tanto! kk Eu pensei em fazer uma batalha bem mais sangrenta entre o Sonnen e o Aerus, mas acho que o Aerus estava naquele frenesi de acabar logo, de ir embora dali. Vamos deixar o sangue para algumas lutas que virão lá pra frente, acho que ter de lutar contra a Sophie já foi a maior punição para ele... O cara já sofreu o bastante.

      Fico feliz que você tenha curtido a forma como tudo se desenvolveu, o capítulo pode ter sido mais curto, mas as imagens valeram por cada momento! kkkkkk Cara, estamos falando do Mundo Pokémon! Morrer ele não morreu, só deu um FAINTED. Ele só levou um corte profundo na garganta que sangrou tanto a ponto dele ter hemorragia kk Zuera, zuera. É aquela jogada do "morrer e não morrer" que estou usando pra confundir a mente de todo mundo! 8D Farei minhas macumbas com Max Revive pra trazer todo mundo de volta no final, eu prometo kk

      Muito obrigado pelo comment, e antes de eu ir, quero dizer que fiquei muito feliz em reabrir os comentários Anônimos de novo, senti saudade de vocês, leitores do anonimato! Eu tinha fechado por causa de uns spams insuportáveis, mas acho que está tudo resolvido por enquanto kk Nos vemos por aí! \õ

      Delete
    2. essa n é a primeira vez que eu choro em aes
      e duvido que seja a ultima
      By:Lucarioiz

      Delete
  3. O quão masoquista você é, de 0 a assim que acordei vim ler AeS (claro que to no ponto máximo, né)
    Enfim
    E ai gente já começa com quote épica, teria como fugir? Never ç_ç
    mas falar com aquele Garchomp teimoso era o mesmo que jogar todas as suas palavras ao relento. > De fato :v < Elas não faziam mais sentido algum. Principalmente agora. > De fato² ç_ç I understand your feels, my dear ç__ç
    Diante de tamanha perícia, poucos eram capazes de fazer frente. > A não ser a mais pura ira recém-despertada no Aerus. Pois é.
    Vero, Outrage! Momento perfeito para essa técnica! (mas acho que só isso não vai ser o bastante para derrotar o Sonnen não >.> (se bem que, ele está machucado o bastante já <.< ))
    "Ser apunhalado no peito não teria machucado tanto quanto um amigo que lhe é tirado" pls imprimindo e colando na porta pq SO TRUE, SO FUCKING TRUE, eu ainda to com a ferida aberta aqui ç_ç
    Na Primeira Casa, tudo havia ocorrido suficientemente bem para que o dragão se acalmasse e tivesse confiança o suficiente de que tudo daria certo na Liga Pokémon, tudo terminaria bem. > HAHAHAHAHAHAHHAHAHA POOR SUMMER CHILD :''D
    Mas encarar a dor da guerra, a dor de uma perda... Essa era a primeira vez. > Ouch. Isso ainda não tinha me ocorrido até agora. Vero, let me hug you, Aerus poor baby ç______ç
    E O SONNEN ATACANDO COM TODO SEU POTENCIAL AGORA, MDS ISSO NÃO VAI ACABAR BEM Ç_______Ç
    A imagem de Sophie lhe veio à mente, e ele vacilou. > EU DISSE QUE ELE TAMBÉM TÁ MACHUCADO Ç___Ç
    Quando ele fala que o ódio não é por vingança, é por determinação, mds, que épico..... e triste ao mesmo tempo
    "Mas ainda era cedo. Cedo demais para voltar." (anne enroscada em algum canto conceal don't feel let it go pq mds o medo que preencheu agora não foi pouco ç_ç )
    A menção a lua me fez lembrar a Tashiki REALLY THANK YOU essa ferida já tava cicatrizando, mas agora tá sangrando junto ç___ç
    O Sonnen tá tão..... máquina agora. Como se fosse um robô, falando aquelas falas típicas, programadas. Mds, que dor, onde está aquele menino alegre e espontâneo que fala até demais? ç_ç
    (btw as técnicas dele as mil e uma armas e ainda por cima lâminas psíquicas QUE. FODA. (and that's why I always loved Psychics <3 <3 ))
    Parecia que algo havia morrido dentro daquele guerreiro tão brincalhão e espontâneo> EU ACABEI DE COMENTAR ISSO mds não chega ç________ç
    Sonnen sempre evitara utilizar aquele tipo de técnica para não lembrá-lo da irmã. E agora, ela estava ali... Tão perto, e ao mesmo tempo, tão distante > i'm not crying it's just raining in my face
    Demorara anos para reencontrá-la, para que a luta terminasse daquela maneira, com o golpe final vindo de suas mãos. > PARA DE ME LEMBRAR DISSO, STAHP, JUST STAHP Ç__________Ç
    Não havia derrubado sequer uma lágrima. > É pior. É ainda pior. Ele fechou o luto e a dor, trancou esses sentimentos pelo seu sentimento de dever. Ou seja: Talvez, ele nunca consiga superar isso tudo ç_ç
    Minha mente já está aturdida demais para que eu continue de pé e lhe diga palavras que façam algum sentido. Apenas permita que eu dê o meu melhor e lhe prove o motivo de eu estar aqui. > ~parada estratégica para que a vista pare de estar tão embaçada pelas lágrimas~
    Agradeceu por não estar em seu caminho, mas não conseguia concentrar-se na batalha com o corpo caído no chão. > PAREM DE ME LEMBRAR DISSO, PELO AMOR DE GIRATINA E ARCEUS Ç___Ç
    O Sonnen já ficando alheio à luta, mds, essa droga só machuca ç____ç

    ReplyDelete
  4. Encontrou nos olhos fechados da irmã a sina que já o aguardava com as mãos entrelaçadas e um sorriso no rosto, como se insinuasse: Eu estava te esperando. > MANO. PIOR QUE EU TAVA COM ESSE PRESSENTIMENTO DESDE QUE O NOME DO CAP FOI REVELADO Ç________Ç
    COMEÇOU A TOCAR MERCY AGORA HAHAHAHAHAHAHAHAHHAHA CHEGA, PLAYLIST, NÃO É POSSÍVEL TER TANTA DOR MAIS QUE ISSO Ç_______Ç (pior que é. eu sei. BUT I'M NOT READY, REALLY NOT READY Ç__Ç )
    O SONNEN CHAMANDO PELA IRMÃ, OLHA: NÃO. JUST NOPE. NOPE NOPE NOPE Ç_______Ç
    Sonnen sabia que logo estaria com ela. > eu não to chorando magina se to magina se to batendo a cabeça no note que isso magina
    NÃO
    TU NÃO TACOU MEMÓRIA DELES PEQUENOS
    E AINDA POR CIMA SONNEN FALANDO EM SE TORNAR O MAIS FORTE PARA PROTEGÊ-LA
    E DEPOIS ELA PROMETENDO QUE FARIA O MESMO
    OLHA: NÃO
    PARA A DROGA DO FANDOM QUE EU QUERO DESCER Ç__________________Ç
    TAQUIPARIU O AERUS MATOU ELE MESMO, ACHEI QUE ELE JÁ TIVESSE COM FERIMENTO FATAL E ELE FOSSE FAZER MAIS NADA, MANOLO O___O FEAT. Ç__________Ç
    a parte falando sobre como não houve vitória naquela casa: just nope. i already know, don't need to remind.
    O jogo tinha acabado para alguns, mas, por um momento, Aerus pensou se não teria sido melhor nem começá-lo > NÉ ç______________ç
    O KARL CHORANDO, EU NÃO PRECISAVA DESSA IMAGEM NA MINHA MENTE Ç_________Ç
    E O SONNEN E A SOPHIE SORRINDO, GENTE NÃO, CHEGA, TÁ DEMAIS Ç_____________________Ç
    cabo o cap e agora nem sei o que fazer da vida acho que vou só me enroscar num cantinho mesmo e choramingar all day long (feels like quando terminei BBS pela primeira vez, foi de manhã também, fiquei o resto do dia chorosa, AND NOW I HAVE IT ALL OVER AGAIN Ç_Ç )

    ReplyDelete
    Replies
    1. Muitos feels, muitos feels. Não encontre nem uma maneira adequada de encarar os leitores depois de fazer uma coisa dessas! kk Eu gosto muito de ler seus comentários especialmente pela maneira como você se expressa colocando no papel todas as palavras que passam por sua mente. Geralmente depois de terminarmos a leitura de algo temos um tempo de parar, sentar e analisar o que foi absorvido. Muitas impressões se perdem nessa hora... Mas só de dar uma olhada no Twitter (yeah, ainda te stalkeio por lá de vez em quando kk) já dá pra sentir justamente as reações que o capítulo causa numa pessoa. Isso deve ser coisa de quem usa bastante o Twitter, saber se expressar naquelas mínimas 140 caracteres. Eu fico louco toda vez que tento usar! kkkkkkkkkk

      Você sempre acaba captando esses pequenos detalhes, né? kk Tive receio de que com as poucas 2.000 palavras o povo não entrasse no clima da luta, mas acho que é bom eu voltar a tentar escrever capítulos menores, estou com essa maldição de prolongar tudo a ponto de ficar massante, e sei que isso pode me atrapalhar muito na hora de tentar publicar uma obra! x_x

      Quando eu acredito que cheguei ao meu limite escrevendo a Segunda Casa, e paro e penso no que ainda está por vir... É tenso, a Terceira Casa traz mais um pouco do Presidente, e com ele, teremos General, Glaciallis, Chaud... Acho que vou pegar os personagens que você mais adora kk Não estou me aguentando nessa loucura da Liga Pokémon, cada dia que passa isso fica mais dolorido. Mas continuemos seguindo em frente. Me sinto como um soldado indo para a guerra, vejo todos meus amigos/personagens morrendo, e por algum motivo tenho de ficar para trás contando a história deles... É foda,acho que vou surtar kkk

      Bem, mas muito obrigado pelo comentário, só deixa eu pegar meu guarda-chuva para me proteger dessa chuva de sentimentos que caiu hoje kk E pelo que vejo, ainda vêm uma tempestade por aí! Continue com foco em Aquamarine, força no projeto, e... TENTE poupar seus leitores dessa mesma dor, só TENTE! kk Beijos, see ya!

      Delete
  5. O cáp ficou muito bom!Teve muita luta(O cáp foi pura luta),e foi bem emocionante o cáp.Agora,eu espero ansiosamente o próximo cáp!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Diga ae, Omega Caesar! Foi um capítulo inteiro voltado para batalhas mesmo, eu pretendia explorar um pouco mais o passado da Sophie e do Sonnen, tanto é que um leitor já tinha até pedido para que eu escrevesse um Support deles, mas depois percebi que as poucas imagens que mostravam esses dois quando crianças eram o suficiente para causar a impressão que eu desejava, então, foquei o restante na briga do Aerus.

      Muitos esperavam que o Aerus só fosse dar as caras lutando nos capítulos finais, mas conhecemos bem o líder desses Pokémons, ele não iria se aguentar até lá! kk Fico feliz que tenha gostado, companheiro. Rumo ao próximo! :D

      Delete
  6. CANAS OMINOUS ultimas palavras

    ReplyDelete
    Replies
    1. "E morreu".

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk :v

      Delete
  7. Agora a batalha de verdade começa. Não que a luta contra a Sophie não fosse de verdade, - longe disso - mas dava para notar que o Sonnen se impedia de usar seu potencial por completo. Era um combate mais psicológico que, de fato, armado. Agora não. Agora é a fúria de um irmão que tirou a vida da própria irmã e um guerreiro que perdeu uma de suas maiores amigas da própria guilda. Os objetivos se tornam muito mais intensos. O mais irônico é que na casa Psíquica, o maior inimigo do Sonnen foi sua própria mente. Tanto lutando contra a irmã, quanto após o resultado dessa luta. É nesses momentos que, por mais que se tente lutar por lutar, ficam os questionamentos: como alguém que encontrou forças para começar a batalhar por meio da irmã continua firme após perdê-la? A história dos dois foi muito bonita, e as ilustrações entram muito bem nesses momentos mais dramáticos. Aquela velha história de que uma imagem vale mais que mil palavras, sabe? HAIDOASUIAHSYDAGSUYD No final, sinto que o Sonnen não se arrepende do resultado. Pelo menos agora ele estará com sua irmã. E os Fire Tales ainda enfrentarão uma longa jornada. Vamos ver no que vai dar, tenho muitas expectativas para a terceira casa!!

    OBS: Adorei a tabelinha nas Notas dizendo quem foi derrotado e quem não. Bateu uma nostalgia pesada do arco dos clones AOSDHIAUSHDUASHI

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -