Posted by : CanasOminous Oct 29, 2014

Comemorando o lançamento de Ômega Ruby e Alpha Sapphire que chegam a nossas mãos em 21 de Novembro, decidi trazer ao blog uma fanfiction antiga minha, escrita no comecinho de 2012 quando os remakes de Hoenn não passavam de meros sonhos dos fãs, e nós ainda perambulávamos pela Saga Pérola aqui em Sinnoh.

A história traz Courtney, a linda administradora do Team Magma que conhecemos bem mais aprofundadamente no mangá, em um romance de aventura e cotidiano ao lado do jovem Brendan que mergulha nesta magnífica região, que durante muito tempo foi a minha favorita, afinal, a primeira vez que joguei de verdade um jogo de Pokémon foi com Ruby e Sapphire. Espero que curtam essa pequena fanfic, estarei postando episódios semanalmente até que o lançamento dos jogos sejam feitos. Burning Love havia sido originalmente postada na Arena Pokémon, mas como foi apagada, estou voltando a compartilhá-la por aqui. Apesar de curta e de ter sido escrita há tanto tempo, ainda guardo um imenso carinho pela qualidade e simplicidade dessa história. Um grande abraço aos leitores, continuem de olho nas novidades! — Canas Ominous.


CAPÍTULO 1
Garota Flamejante

Uma linda moça permanecia encostada sobre a parede rochosa da encosta de uma montanha, o local dava vista para todo o continente de Hoenn que exalava sua eterna beleza em torno das rotas e florestas esquecidas pelo próprio tempo. Era uma região antiga, sempre abordara grande influência pela parte geográfica, e por isso era constante marco de pesquisa por parte de especialistas na área. Aquela moça adorava a terra, era seu berço e única casa onde se sentia confortada. O oceano azul era seu inimigo, em seu coração ela sempre guardara um certo desconforto para com o imenso azul, e por isso decidira seguir sua vida opondo o mar. Aquela mulher ocupava um cargo importante onde trabalhava, era uma das responsáveis pela organização do Team Magma, uma corporação que atuava no continente e visava a expansão de novas terras.
Porém, naquele momento nada parecia importar. A sinfonia formada pela brisa ressoava em seus ouvidos criando uma sensação de conforto única. Era no pico daquela montanha onde aquela moça podia sentir-se tranquila e longe de seus problemas. O ser humano precisa de um momento para estar em harmonia com sua mente, e durante toda sua vida ela ainda não havia encontrado o que realmente buscava.
Seu nome era Courtney. O suave toque do vento batia sobre o rosto delicado que a mulher tinha, seus olhos eram azuis e brilhavam como o céu límpido de uma manhã ensolarada. Ela tinha cabelos na altura dos ombros e vestia um longo vestido de cor avermelhada, o símbolo de sua corporação. Tinha seios exuberantes e um corpo bem formado, aparentava ter por volta de seus trinta e três anos, e por isso, era cobiçada pelos demais membros da corporação. Porém, mantinha a fama de malvada. Nenhum homem procurava envolver-se com Courtney por sua malícia e crueldade em sua missões. Preferia ficar sozinha, e o único momento que podia alcançar sua paz interior era excluindo-se do mundo conturbado e abrigando-se nas montanhas longínquas do Monte Chimney.


A mulher permanecia deitada sobre a grama quando uma pequena criatura pareceu aproximar-se sorrateiramente, era um cachorrinho de pelagem negra conhecido como Poochyena que vasculhava a terra á procura de algo, e ao sentir o cheiro de Courtney, rapidamente retornou para um homem que subia o monte de forma exausta.
— Senhorita Courtney, Senhorita Courtney!! Finalmente encontrei-a, venho trazer as ordens diretamente vindas de nosso Líder Maxie para a senhorita. — disse um homem que vestia uniformes vermelhos com detalhes em preto que estampavam o logo de sua equipe.
— Desgraçados... Quem revelou a localização de meu novo esconderijo? Não está vendo que eu tento fugir das adversidades dos Magmas? — praguejou a moça, passando a mão em seu rosto e parecendo ignorar o mensageiro por completo.
O homem intimidou-se por um momento, pois Courtney era sua superior e também líder de seu batalhão, mas não hesitou em falar:
— Acho que a Senhorita deveria tentar ser um pouco mais delicada com as palavras...
Courtney levantou-se bruscamente no momento que ouviu o descontentamento. O pobre soldado intimidou-se da mesma forma que seu Poochyena parecia apavorado com a figura maléfica que estendia-se em sua frente. Courtney arrancou a cartas da mão de seu súdito e o dispensou, o homem não ousou dizer mais nada, e apenas correu na companhia de seu pequeno cãozinho farejador.
A graciosidade daquela mulher havia desaparecido, embora tivesse um lindo sorriso ela raramente o mostrava. Não se sentia na confiança de compartilhá-lo com mais ninguém, de modo que se contentasse a estar feliz quando estava sozinha. A companhia humana lhe irritava, os Pokémons não passavam de armas, a vida de Courtney resumia-se a fugir de todo o resto para estar em harmonia consigo mesma. Uma paz que até hoje não encontrara.
— Homens malditos... Pensam que podem vir a dar conselhos para as mulheres sem mesmo saber do que estão falando. — balbuciou ela, ainda descontente com o comentário feito pelo soldado.
Courtney abriu o envelope que tinha recebido e assim encontrou uma carta adornada em um papel inteiramente negro com detalhes vermelhos na lateral. As letras eram todas feitas de uma tinta dourada, sendo evidente a caligrafia de seu líder Maxie, um homem respeitado e educado que prezava o bem estar de toda a sua corporação. Ela olhou indiferente para o envelope à procura de algo mais importante, como um presente ou coisa parecida; a carta era longa, e ela não estava nem um pouco interessada em lê-la, deixando-a de lado logo em seguida.
A moça tornou a deitar-se no chão gramado observando o céu calmamente. Ela soltou um longo suspiro e tornou a sorrir, mas logo teve seu bem estar suspenso quando pôde ver nuvens cinzentas aproximando-se da montanha em que estava.
— Não consigo descansar nem por um minuto?
Courtney pegou sua pequena mochila, as cartas, e logo entrou em uma caverna nas redondezas. Ela nunca tivera uma moradia fixa, se contentava com pouco e não ligava muito para roupas, cabelo, ou maquiagem. Podia-se dizer que ela era um tanto relaxada naquele sentido, tanto que até cortara seu cabelo na altura dos ombros para não se dar no trabalho de lavá-los frequentemente. Porém, a moça ainda tinha uma beleza deslumbrante. Se algum dia um homem a convecesse de arrumar-se ela se tornaria uma deusa.
A moça sentou-se sobre uma pedra e acendeu uma fogueira. Não demorou muito para que uma fina garota começasse a cair. Estava entediada, detestava ler, destetava pensar muito. Era o típico exemplo de uma aluna que evitara a escola durante toda a sua vida. Passaram-se alguns minutos até que o tédio lhe desse forças para tentar ler a carta que seu chefe a enviara. As letras miúdas pareciam embaralharar a mente de Courtney que odiava aquilo a cada segundo.
— Se todo mundo sabe que eu não sei ler direito então por que escrevem com letras tão pequenas?!
Ler era uma vontade sua, mas não tinha mais tempo para isso. Entendia algumas palavras jogadas de modo que compreendesse o assunto central, embora os outros membros dos Magmas sempre tentassem ajudá-la com tal tarefa. Ela era mal agradecida, nunca dizia palavras de agradecimento e estava acostumada a ser solitária. Diziam que era falta de amar alguém, mas Courtney sempre se irritava quando lhe falavam isso.
— Missão para Senhorita Courtney... Littleroot Town. Garoto chamado Brendan... — dizia Courtney confusa como alguém que realmente lutava para entender o que estava escrito naquela carta — Que droga!! Eu odeio essas coisas, nunca consigo entender nada!!
Courtney levantou-se bruscamente e então jogou a carta no fogo. O envelope pouco a pouco começou a entrelaçar-se em chamas até virar cinzas. A mulher parecia estar em um frenesi até o momento em que avistou um homem na entrada da caverna. Ela ficou atônita no mesmo instante, rapidamente retomando sua postura severa ao perceber de quem se trava.
— S-senhor Maxie... Eu não sabia que o senhor viria me procurar. — disse Courtney.
— Não precisa desculpar-se Courtney, imaginei que estaria tendo dificuldades com a leitura, eu deveria ter imaginado que você assustaria aquele soldado de modo que ele nem mesmo tivesse tempo de ler a carta para você. — sorriu o homem amigavelmente.


Aquele era o líder da corporação do Team Magma, seu nome era Maxie, um homem charmoso e bem vestido. Tinha vestes elegantes e tonalidades ruivas com seu cabelo inteiramente jogado para trás. Seu porte era educado, e sua voz transmitia autoridade e competência ao mesmo tempo.
— Bom, vejo que a carta agora arde em chamas nessa pequena fogueira. — brincou o homem.
— Ahh. Foi um acidente, Chefe. Eu fiquei estressada.
O homem andou lentamente até o lado da moça e tocou seu ombro.
— É preciso aprender a conter mais seus nervos, Courtney. Até mesmo o fogo quando descontrolado pode tirar vidas. — disse Maxie.
A mulher pareceu pensativa por um momento, mas logo foi interrompida por seu líder que caminhou por algum tempo pela sala. Ele se colocou a observar a fina garoa que aos poucos começava a tomar mais força vindo a tornar-se uma possível tempestade,
— Chega de enrolação. Vim aqui para designar-lhe pessoalmente a sua próxima missão. É uma tarefa bem simples, você deve seguir até uma pequena cidade no extremo sul de Hoenn até a casa de um rapaz chamado Brendan.
— Só isso? Até essa parte eu havia entendido.
— E depois você deverá matá-lo.
Courtney manteve-se quieta por um momento. Aquilo não era nada fora do que era pedido no Team Magma, mas matar alguém nunca era uma tarefa fácil. Ela não conhecia o rapaz, provavelmente deveria ser um cientista ou integrante de seus inimigos do Team Aqua, então finalizar um oponente não seria tarefa complicada.
— Basta isso, Senhor? Depois estarei dispensada? — perguntou ela indiferente.
— Sem restrições. Basta eliminá-lo.                               
Courtney deu um ligeiro sorriso e logo deixou a caverna, ela lançou um grandioso pássaro conhecido como Swellow. A criatura serviria como transporte, e dentro de poucas horas ela estaria chegando ao ponto desejado. A chuva parecia engrossar, mas a moça não ligava. Só queria livrar-se de sua tarefa e encerrar aquilo de uma vez por todas.
— Como é a aparência desse tal de Brendan? — perguntou Courtney, colocando o capuz de sua roupa para evitar que os fortes pingos atingissem sua cabeça.
— Você saberá quando chegar. — respondeu Maxie.
Swellow tomou distância e logo sobrevoou a região. Do alto da montanha havia uma longa viagem até a encosta para a chegada em Lavaridge, e uma simples chuva não iria impedir que a tarefa de Courtney fosse cumprida.
Pouco a pouco a chuva parecia piorar até que viesse a tornar-se uma grande tempestade. Parecia que o Team Aqua tramava algo, pois as chuvas eram criadas a partir do Lendário protetor dos Oceanos, o grandioso Kyogre. Courtney continuou sobrevoando o céu com seu Swellow, o próprio pássaro parecia já não conseguir enxergar mais nada em meio aos fortes pingos que pareciam cortar a pele da garota.
— Vamos lá Swellow, sem descanso!! Precisamos alcançar essa cidade ainda hoje, não pretendo encarar mais um dia de tarefas! — gritou Courtney para seu Pokémon.
A ave continuou com força total, mas em um dado ponto não pôde nem sequer perceber a nuvem cinzenta que se formava em sua frente. Numa rápida manobra de esquiva, Swellow acabou por perder o equilíbrio pelo peso de sua mestra, perdendo assim um pouco de atitude de modo que Courtney fosse arremessada contra o chão.
A garota retornou seu Pokémon e praguejou em vão, estava extremamente irritada. Odiava a chuva, odiava as pessoas, estava perdida no mundo. Queria cumprir seu objetivo e então seguir sua vida, nada mais.
Por sorte, a ave a deixara próxima da rota 101, de modo que Littleroot fosse localizada apenas há alguns minutos de caminhada. Andar na chuva parecia uma eternidade, as roupas da equipe Magma pesavam, e seu moletom parecia não esquentar nada de tão úmido que estava. Courtney caminhou em silencio até alcançar a pequena cidade. Não haviam muitas construções, de modo que ela imaginasse que não fosse tão difícil encontrar o tal Brendan. Caminhou de porta em porta à procura das caixas de correio que informassem algum morador com tal nome, e por sorte, avistou uma pequena caixa próxima à varanda de uma casa:

“Para meu sobrinho, Brendan.”

Courtney abriu o pequeno portão que parecia nem ter segurança, era uma típica casa de campo em que as pessoas não tinham inimigos nem faziam ideia de que existiam ladrões. Todos pareciam viver na serena paz. A moça caminhou até a entrada e deparou-se com a porta trancada. Não era novidade àquela hora da noite.
Courtney deu a volta até alcançar uma grande árvore que dava até uma janela no segundo andar, provavelmente estaria trancada, mas bastava quebrá-la, finalizar o serviço, e ir embora. Na tentativa de subir a árvore, um forte vento bateu de forma que ela fosse arremessada para longe novamente.
A moça caíra no chão e machucara seu braço. A chuva lhe irritava, a água lhe irritava. A cada segundo ela parecia odiar mais aquela missão. Estava cansada e seu corpo doía, mas ela não hesitou em escalar a árvore mais uma vez até alcançar o quarto. Com destreza ela se aproximou da janela e abriu-a sem dificuldade, por sorte não estava trancada.
No momento tudo que ela desejava era sair da chuva. Estava tão escuro que e barulhento lá fora que ninguém teria notado sua presença sorrateira no cômodo. Courtney caminhou por um momento e deparou-se com um pequeno garoto dormindo em uma cama quentinha. O cansaço foi tanto que Courtney não se deu no trabalho de pensar duas vezes, ela apenas deitou-se na cama ao lado da criança e lá permaneceu até adormecer. A missão poderia ficar para o dia seguinte, o tal Brendan poderia esperar.
A chuva não parou, e som das gotas sobre a janela formava uma canção aconchegante para dormir. De certo modo a chuva também trazia seus bons caminhos.


{ 4 comments... read them below or Comment }

  1. Hey Canas \õ/

    Rapaz, eu sabia que tu era um bom escritor, mas esse seu primeiro capítulo ficou show de bola *-*

    Pois é... dessa vez veremos um pouco mais do lado dos vilões, não?
    A Courtney me conquistou logo de cara *O*
    Ela é indomável eim?*U*
    As indomáveis são as mais belas e tudo mais *O*

    Eu não sei porque... pode parecer besteira, mas acho que a Courtney ainda vai ser amiga do Brendan e vai rolar paixão! Apesar de parecer que ela é mais velha que ele...

    Enfim, fic tá muito boa cara. Continuarei acompanhando \õ

    (Trecho retirado da Arena Pokémon, 07/12/2011)

    ReplyDelete
  2. Adorei o episódio, a fanfic parece ser bem exclusiva, e mostra o lado de uma antagonista, o que é algo inédito no mundo das fanfictions de Pokémon. Também acredito que Courtney se apaixonará por Brendan, sendo um amor com fronteiras.

    (Trecho retirado da Arena Pokémon, 08/12/2011)

    ReplyDelete
  3. Ótima introdução em rapaz!? Já sei que será um grande sucesso. Destaque para Courtney que faz bem o estilo Femme Fatale, bem raro neste meio de fanfictions. Como sempre inovando! E com esse cenário maravilhoso que é Hoenn uma paixão despertará.
    Parabéns.

    (Trecho retirado da Arena Pokémon, 13/12/2011)

    ReplyDelete
  4. Yo Canas!
    Eu ainda não havia lido a Burning Love, mas como Sinnoh ainda está um pouco parada com a história central eu vim ler ela para conhecê-la melhor. E cara, ela é muito boa! A forma como você descreve cada cena nos faz imaginar tudo. E você usa as descrições para criar um clima diferente, tipo, quando você quer passar a idéia do ódio da garota, você consegue, sabe? Isso é muito legal. Apesar da Courtney ser dessas mega bravas eu vejo que ela pode ter um lado meigo e simpático que aparecerá com o tempo. Está de parabéns!

    (Trecho retirado da Arena Pokémon, 09/01/2012)

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -