Posted by : CanasOminous Nov 1, 2014

Support Conversation (Mikau x Milena)
Gênero e Disclaimers: Romance;
TemaMilena recebe um convite de Mikau para  uma praia deserta,
onde ambos relembram alguns momentos marcantes de sua infância e se
redescobrem, como se se conhecessem pela primeira vez;
Notas: Este acontecimento faz referência ao começo da Liga Pokémon,
antes do início da Quarta Casa. Complemento do Capítulo 97.


Os fins de semana que antes eram tão animados e cheios de energia foram aos poucos perdendo o brilho e a ansiedade para que logo chegassem. Ao chegar em casa, Milena se deparava com a cama vazia e arrumada. Não havia nenhum sinal de que alguém estivera ali nos últimos dias, tudo continuava em seu perfeito lugar.
Ela não era o maior exemplo de manter seus pertences organizados, mas seu próprio ambiente não sofrera mais alterações. Passava a maior parte do tempo fora, vinha andando tão entediada que arranjara tempo para ajudar na limpeza de todos os outros dormitórios. Preparava os almoços, lavava os pratos, ajudava na manutenção da guilda e mantinha a mente sempre ocupada. Quando tinha uma folga longe de todas aquelas tarefas, voltava a ficar desamparada.
Não tinha muitos anseios de que o fim de semana logo chegasse.
Onde estaria Mikau, afinal de contas? Deveria estar treinando em algum lugar desconhecido, ou fazendo o que sempre fazia quando não gostava de ser perturbado.
As agitações da Liga Pokémon realmente afastara todos os membros da Fire Tales que não tinham mais tempo de rir e se divertir como antes, era comum que estivessem apreensivos. Milena sentou-se sobre uma cadeira que era acompanhada de uma mesinha de canto simples próxima à varanda, onde tinha vista do horizonte e, muito distante, o mar que tanto sentia saudade.
Foi então que a mulher avistou algo caído no chão. Um pequeno papel escrito às pressas. Devia ter sido empurrado pelo vento, uma vez que a janela estava aberta. Milena abriu-o depressa e percebeu tratar-se da caligrafia de Mikau:

“Estarei perto da costa leste pela manhã, se quiser aparecer.
Não estarei treinando. Não estou ocupado. Traga um lanche, se puder fazer essa gentil bondade para um homem necessitado Ainda estamos de mal um com o outro?.”

Um singelo sorriso formou-se no rosto da moça. Afinal de contas, ele ainda precisava dela.
Milena imediatamente começou a preparar o lanche que seu amado pedira, providenciando algumas coisas que fariam daquela experiência um singelo piquenique. Não era nada planejado ou antecipado, ela simplesmente aproveitou o embalo do fim de semana para tentar algo novo, como eles costumavam fazer. Nem mesmo se lembrava de quando fora a última vez que tivera um dia inteiro só com Mikau.
Ajeitou tudo em sua cesta e logo partiu. A caminhada até a praia não era longa, bastou alguns minutos tranquilos e lá estava ela, porém, o local parecia vazio. Será que o papel fora deixado ali há mais tempo do que imaginava? Às vezes aquela poderia ter sido uma mensagem de semanas, ou até meses atrás. E mesmo assim, iludida como uma criança, para variar. Por que algumas vezes sentia-se tão decidida e madura, enquanto em outras parecia que ficara presa no tempo?
Milena arrumou os óculos de sol no cabelo para enxergar melhor. Tudo que prevalecia era o som das ondas e a sensação da areia sob seus pés. O vento que batia trazia aquela sensação refrescante única, a praia não era encoberta por nenhuma outra parte do continente, ela tinha visão perfeita para a imensidão azul do mar, e por estar próxima ao domínio dos Fire Tales, eles haviam praticamente a tomado para si (uma atitude que provavelmente partira do próprio Mikau e sua mania de desejar ter tudo para ele, e somente ele). Uma belíssima praia particular.
Milena continuou olhando com atenção para os arredores, até que, para sua surpresa, pôde avistar Mikau sentado embaixo de alguns coqueiros.
Ele se refrescava na sombra da árvore com enormes blocos de gelo esculpidos em formatos de uma cadeira e mesa para apoiar suas coisas. Usava um par de óculos escuros que lhe eram familiares (era impressão dela, ou os óculos pertenciam à Aerus?); trazia ao seu redor dezenas de livros abertos e espalhados, devia ter uns dezessete, todos jogados no chão e cheios de areia com alguns insetinhos que inclusive passavam por cima deles, curiosos com toda aquela agitação.
A mulher subiu o pequeno morro em direção do rapaz pelas costas e apoiou-se nos joelhos, fazendo sombra em sua leitura.
 Te encontrei.
Mikau abaixou os óculos e encarou-a de baixo para cima, dando um sorrisinho de canto.
 Gostou? — ele apontou para os Blackglasses, que definitivamente eram de Aerus. Aquele idiota deve estar à procura dos óculos escuros a tarde inteira, e não vai ficar nem um pouco feliz quando souber que peguei emprestado sem pedir. Só por um tempinho.
Milena não pôde esconder o riso.
 Só você mesmo para fazer essas coisas...
— Eu estava querendo passar uma tarde na praia, e não estava nem um pouco afim de comprar alguns acessórios. Por favor, sente-se e fique à vontade. Está bem refrescante.
Ela depositou gentilmente a cesta em um canto, mas o atirador nem se dera conta de que Milena realmente trouxera um pouco de comida, talvez já tivesse se desacostumado a receber bondades, embora não custasse nada pedir.
A Milotic sentou-se no chão ao lado dele, pegando um dos livros que estavam jogados e procurando alguma marcação ou anotação.
 Já leu tudo isso? Há quanto tempo está aqui?
  Você sabe que odeio ler   Mikau respondeu, sem tirar os olhos das páginas finais de um livro de capa vermelha em suas mãos.
  Então o que está fazendo com todas essas coisas, exatamente?
  Lendo o final  ele respondeu, voltando a colocar seus óculos enquanto jogava mais um livro para longe.   É impressionante como podemos descobrir tanto sobre uma história só de ler as últimas páginas, não é? Com isso, devo poupar horas de leitura desnecessária.
  Ora, mas desse jeito você não se envolve com a trama, com os personagens... Se for para saber de finais felizes, é só imaginá-los   continuou Milena enquanto pegava dois sanduíches que preparara para seu piquenique.
Antes que pudesse entregar o lanche para seu companheiro, Mikau permaneceu sério por alguns instantes. Seu olhar continuava encarando o mar em movimento, e a brisa que batia continuava a emaranhar todas as folhas do oceano de livros ao seu redor.
É justamente isso que estou procurando.
— O que? Lanches?
— Dos finais felizes, Milena —o atirador continuou a falar de maneira séria. — Estou vendo quantas histórias têm um final feliz, e se a minha também tem chances de ter um.
A mulher desviou o olhar, pensando sobre aquela afirmação. Por mais que Mikau estivesse tentando afastar-se dos treinos da guilda, era óbvio que ainda pensava neles. E se não fosse o suficiente? E se não fosse capaz de proteger seus amigos, as pessoas que amava?  E se quando a hora chegasse, descobrisse que na verdade teria precisado treinar muito mais?
Balançou a cabeça, afastando todos aqueles pensamentos. Milena esticou a mão para ele e entregou-lhe o sanduíche.
— Eu tinha até esquecido que eu havia pedido para você trazer algo para comer. Estou morto de fome — disse Mikau. Milena apenas sorriu e ergueu os ombros, encolhendo-se como uma menininha tímida. Sabia exatamente do que ele gostava.
— Tenho a ligeira impressão de que estou engordando você — ela riu.
— Vai me comer no final? Que nem a bruxa da história de João e Maria? — Mikau riu maliciosamente. Pelo menos alguma coisa ele havia aprendido com as páginas finais daquela porção de livros.
— Vou pensar no assunto — Milena respondeu, maliciosamente.
O rapaz abocanhou o sanduíche, e por alguns instantes o silêncio voltou a reinar. Milena ainda ajeitava a toalha no chão e espalhava ali os sucos e comidas que trouxera a mais. Mikau continuava sentado em seu trono de gelo, observando-a de cima para baixo, onde tinha uma bela visão de seus peitos que eram presos pelo biquíni da mulher.
— Por que você veio? — afinal, ele perguntou.
Milena voltou a olhá-lo com certo ar de desconfiança.
— Bem, creio que você tenha me convidado. Eu vi o papel em cima da mesa.
— Eu tenho sido terrível para você nas últimas semanas. Eu a ignorei, não lhe dei atenção, eu sequer a cumprimentava. Estávamos bem afastados. Para ser bem sincero, eu até esperava que você fosse jogar o papel no lixo e continuar fazendo suas tarefas.
— Eu não tinha nada demais a ser feito hoje — Milena respondeu, ajeitando o cabelo e fingindo querer ignorá-lo. — Todavia, o que você disse é verdade, fico chateada que tenha tentado me evitar nos últimos dias. Mas como todos homens, sei que talvez você estivesse precisando de um tempinho para você. Muita coisa na cabeça, não?
— Definitivamente — Mikau apenas assentiu, sem conseguir olhá-la nos olhos.
Milena esticou as pernas num gesto provocativo. Percebeu que o rapaz a encarava de relance, mas Mikau permaneceu firme em sua cadeira de gelo, talvez ainda não se sentindo à vontade para ficar ao lado da parceira como costumava ficar.
— Como é que anda a vida? — foi a vez de Milena puxar assunto.
— Refere-se à guerra em que estou prestes a entrar, ou aos problemas banais?
— Rotina. O que fez ultimamente, o que conta de novo, quais as novidades além de ler finais de livro e olhar o mar — Milena especificou.
— Bem, eu... Treinei. Nada que você fosse achar muito relevante.
— Conte-me sobre seus treinos.
— O que é isso, um interrogatório? — Mikau perguntou, confuso.
— Estamos apenas batendo um papo, querido. Se quiser que eu pare podemos muito bem voltar a ficar no silêncio, ou eu o deixo em paz com seus livros para que se divirta o quanto quiser com os finais felizes dos outros.
Mikau balançou a cabeça, resmungado algo inaudível. Quando pensou que ele realmente fosse parar de falar, o assunto continuou.
— Quase matei um cara hoje. Ele deu de se intrometer comigo enquanto eu estava em um bar. Perdi a cabeça, acertei quatro tiros nele, um em cada braço e perna. Acho que ele não vai conseguir voltar para casa andando e nem rastejando.
Milena ergueu as sobrancelhas. Por mais bizarra que fosse aquela confissão, não era nada que não estivesse acostumada a ouvir do atirador.
— Bem, esperamos que ele ao menos tenha alguém especial para cuidar dele quando precisar.
— É. Talvez tenha. Algumas pessoas contam com essa sorte.
Mais uma vez, os assuntos acabaram.
— Ei — Milena chamou —, você também está se sentindo como quando éramos mais novos?
— Se a boa graça de Arceus permitir, espero apagar de minha existência os tempos em que fui, e se fui, um Horsea completamente inútil, desprezível e imprestável.
— Pois eu gostava — ela levantou-se e ficou de joelhos, onde pôde segurar no braço do rapaz e pedir para ele sair da cadeira, sentando-se ao seu lado onde os dois pudessem ficar mais juntinhos. — Quando você era um pequeno Horsea, devo dizer que tinha seus charmes.
— Não quero lembrar da infância — Mikau admitiu.
— Ah, então quer esquecer de quando nos conhecemos?
— Praticamente não lembro mais.
Milena piscou, um pouco decepcionada com a confissão. Ajeitou algumas mechas de seus longos cabelos avermelhados atrás da orelha e colocou o rosto de Mikau para deitar-se em seu colo enquanto tocava levemente sobre ele, tentando fazê-lo dormir.
— Vamos fingir que estamos nos encontrando pela primeira vez.
— Não tem como fingir que não nos conhecemos. Eu te conheço, sei lá, tipo, desde que me conheço por gente. Sei tudo sobre você.
— É o que vamos ver — a mulher respondeu, levando a mão até a garganta como se fosse preparar-se para a atuação de alguma peça. — Bem, olá, é um prazer conhecê-lo. Meu nome é Milena.
— E aí, Milena. Quer ser minha parceira sexual?
Ela revirou os olhos, decepcionada com a resposta. Levantou-se e deixou Mikau bater a cabeça no chão enquanto ele ria sem parar.
— Ei, calma aí, docinho! Já quer ir embora?
— Juro por tudo que é sagrado que se você não fosse meu amigo de infância eu jamais daria uma chance para você, principalmente com essa sua mentalidade infantil de hoje em dia.
— Bom, mas as pessoas podem mudar, não é?
— E você já mudou, Mikau, mas para pior. Acha que consegue voltar a ser como era?
O Kingdra não gostou muito do que ouviu. Estava disposto a consertar o erro. Sentou-se e manteve-se ereto, fez um cumprimento cortês em direção da moça e pediu gentilmente que ela desse meia volta e voltasse a se sentar ao seu lado.
— Desculpe-me pela ousadia, moça. Tenho estado atordoado nos últimos dias, e busco apenas consolo em algum ombro amigo disposto a compartilhar alguns momentos. Peço desculpas se fui rude — ele a beijou na mão.
— Melhorou — a Milotic admitiu. — Mas ainda soa bem falso.
— Estou abrindo meu coração, tá legal? — Mikau voltou a repetir num gesto cínico. — Poderia falar um pouco de você? Eu gostaria de conhecer melhor a dona desses lindos olhos azuis que tanto me encantam.
Milena sentou-se ao lado dele e piscou sensualmente.
— O que quer saber?
— Você tem algum namorado? Atualmente.
— “Eu sou um patinho feio, ninguém me quer...” — disse a mulher mais linda que já caminhara por aquela região, lembrando dos tempos em que costumava pensar daquela maneira. — E também estou procurando por uma boa amizade para passar meus dias. Quer ser meu amigo?
— Ahhh, então agora topa ser minha parceira sexual?
Milena levantou-se para ir embora de novo, mas antes que pudesse sair Mikau voltou a agarrar seu braço enquanto ria e pensava em mais alguma coisa boba a se falar.
— Onde nasceu?
— Sou de Hoenn, dos arredores da cidade de Fortree. Eu morava debaixo de uma belíssima cachoeira, e vivia num bairro onde Carvanhas e gente folgada é o que mais existia.
— Não deve ter sido uma infância muito legal — presumiu Mikau. — Por sorte, compartilho com você um ódio profundo por Carvanhas e Sharpedos, então devo dizer que adoro eliminá-los quando me apresentam essa chance.
— Você me parece um homem perigoso — Milena agiu misteriosamente atraente ao dizer aquilo.
Quando Mikau estava prestes a fazer alguma piada fora de hora, foi a vez dela de prosseguir.
— O que costuma fazer quando está desatarefado? O que gosta de fazer em suas horas livres? Como anda a vida? — Milena repetiu as várias perguntas.
— Ué, voltamos para o assunto inicial da nossa conversa?
— Creio que esteja enganado, senhor. Acabamos de nos conhecer, e ainda não sei o seu nome — ela deu uma risadinha.
Mikau coçou a cabeça.
— Isso está ficando realmente confuso — logo, sua mente lembrou-se de alguns fatores que nunca soubera sobre a amiga de criança. — Qual o nome de seus pais?
Eles nunca haviam falado sobre aquilo. Talvez ambos os lados tivessem evitado, tratando-se de um assunto tão básico que aparentemente não requeria cuidados, como se apenas o presente lhes fosse importante até então. Não importava o quanto o passado tivesse sido ruim, relembrá-lo era uma forma de não repetir muitos dos erros que aconteciam.
— Bom... Meus pais nunca tiveram muito dinheiro para dar todo o conforto que eu e meus irmãos precisávamos. Tenho outros cinco, e cada um seguiu para um rumo diferente, principalmente pelo fato de que humanos consideram a nossa espécie rara e em extinção. Mesmo sendo jovem, procurei por algum trabalho para ajuda-los nas despesas da casa. Um dia, eles não estavam mais lá.
— E mais tarde, você acabou vindo para Sinnoh... Foi aí que encontramos — Mikau comentou, ajeitando-se em seu canto. — É engraçado como precisamos ter uma história triste no passado para conseguirmos superar os desafios do futuro.
— E o que espera do futuro, senhor atirador?
— Como sabe se sou atirador se eu ainda nem tinha te contado isso? — ele sorriu, usando de sua psicologia para confundi-la ainda mais.
— Bem, foi só um palpite.
— Respondendo a sua pergunta, sou atirador profissional de uma guilda cheia de gente esquisita. Eu mato pessoas também. Sou um mercenário — Mikau arqueou uma das sobrancelhas. Milena estava começando a gostar do assunto.
— Está tentando parecer intimidador, senhor atirador?.
— Não sente medo de mim?
— Estou disposta a correr o perigo.
— Então você é do tipo que gosta de se arriscar.
— Sim. Posso até querer me arriscar para viver novas experiências, mas... — Milena levou uma das mãos até o rosto do rapaz. Os dois trocaram olhares apaixonados que simplesmente não havia como esconder para entrar no clima daquela brincadeira. Ambos os olhos já se conheciam há tempo demais para serem enganados. — Admito que só fico com pessoas que me sinto segura.
Mikau levou uma de suas mãos até a coxa da mulher, massageando-a lentamente enquanto a conversa tomava seu rumo naturalmente.
— Flor preferida?
— Adoro vitória-régia. A flor de lótus me encanta.
— Signo? — as perguntas de Mikau continuaram. Ele realmente não se lembrava de algumas daquelas informações.
— Câncer.
— Pedra preciosa?
— Água-marinha ou lápis lazuli.
— Onde prefere um beijo? — Essa já sabia, mas queria só se certificar. Milena devolveu um sorrisinho safado ao confirmar.
— Virilha.
— Tamanho exato do busto?
— Acho que já chega de perguntas, senhor assanhadinho — Milena virou-se para tomar um pouco de suco, e aproveitou o embalo para esticar as pernas e dar uma volta pela areia —, ou você não vai aguentar quando eu começar a minha sessão.
Mikau levantou-se para acompanha-la, e os dois andaram juntos na costa. Não havia movimento algum nas redondezas, pelo visto a fama do atirador realmente chegara num nível tão elevado que mais ninguém ousaria chegar nem perto de sua propriedade particular. Ali era onde ele podia sentir-se bem, relaxar e aproveitar, esquecendo os problemas que o mundo apresentava.
— Diga-me — começou Milena — a coisa que mais lhe agrada nesse mundo.
— Hm, essa é difícil. São tantas que nem consigo lembrar.
— Não sabe nenhuma, não é? — ela deu outro daqueles sorrisinhos de canto que ele tanto adorava.
— Você.
— Já chega de ser romântico, Mikau. Sua cota por hoje já se esgotou.
— Não, não. Estou falando sério. Por que acha que eu a chamei para passarmos um fim de semana juntos aqui? Quero você junto comigo, quero aproveitar o tempo que tenho ao seu lado, e enquanto tenho.
— E por que não chamou nenhuma de suas outras amigas?
Milena acabara dizendo aquilo sem pensar. Seu companheiro nem chegara perto de citar nada parecido, não vivia desaparecendo de noite para procurar mulheres ou diversão, ele vinha treinando de verdade. Voltava esgotado, cansado, com cicatrizes e marcas profundas, mas, principalmente, era a sua mente quem sofria. Quando mais precisava de auxílio, conhecia uma única pessoa que daria o conforto que precisasse.
— Desculpe, eu perdi a cabeça... — Milena admitiu, inconformada com sua própria atitude grosseira. — Fico um pouco triste quando vai fazer suas coisas e se esquece de mim.
— Você renova as minhas energias, Milena. E se eu a mantenho longe, sei que é porque não é seguro. Mas da mesma maneira, você me dá forças para querer voltar para casa, para querer voltar.
— E quando você não volta?
— Bem, sempre temos alguns imprevistos — ele deu outro risinho. Mikau envolveu a mão no busto da mulher, usando uma rasteira rápida para derrubá-la na areia e ser banhada por uma onda que vinha logo em seguida. Os dois riram, os longos cabelos de Milena estavam todos sujos e bagunçados agora, e não demorou para que a mulher voltasse a persegui-lo com um ódio profundo, mas nada comparado à angústia que sentia quando estava longe dele, e sim, às sensações que só um pequeno Horsea causava nela quando os dois ainda eram pequenos.
Mikau logo deixou-se ser alcançado. A mulher jogou-se para cima dele e os dois mais uma vez saíram rolando pela areia molhada que tomava conta de seus corpos. Milena ficou por cima. Com um gesto delicado do indicador, o rapaz tirou as mechas vermelhas do rosto da mulher e deu-lhe um beijo de modo que ela se entregasse completamente aos seus prazeres carnais.

Não importava quanto tempo passasse, quantos erros fossem cometidos, aquele relacionamento de dois amantes de infância nunca se apagaria.

{ 2 comments... read them below or Comment }

  1. Bem, aqui estou. Fiz questão de só ler isso quando tivesse tempo para me dedicar por completo. E se terminarei essa leitura no chão do tártaro ou do paraíso: vai saber? /q
    Enfim
    Aquele desespero de não poder ficar um segundo sequer parada porque a mente começa a se atormentar e se destruir ç-ç
    No final das contas, a ansiedade destrói mais que a batalha. Esse pré-guerra é o golpe mais danoso >.>
    O BILHETE ALKSDALSKDASLKDALSDASLKDASKLDASLDLKASLKDAS MAS VÁ A MERDA O QUANTO ESSE OTP MEXE COMIGO, MINHA VISTA JÁ TODA EMBAÇADA ;-;
    Um singelo sorriso formou-se no rosto da moça. Afinal de contas, ele ainda precisava dela > SIM SIM PLMDDS SIIIIIIIIMMMMM
    Nem mesmo se lembrava de quando fora a última vez que tivera um dia inteiro só com Mikau > INDEED, MEU CORAÇÃO DE SHIPPER TAMBÉM SENTE FALTA DISSO
    milena pls não desiste fácil assim, sei que tu não tá sendo otária agora (I hope not ç-ç )
    YEY, EU DISSE <3 <3 <33
    E OS ÓCULOS DO AERUS AEHAUEAHUEHUEHAUEUEAUEAHUEAEUA DEIXA ELE DAR FALTA xD
    Poxa, Mikauzinho, não diga que odeia ler >>: (mas realmente não faz a cara dele /q)
    Livro de capa vermelha? Capitães da Areia? (sim, eu ainda lembro sobre Burning Love, quase gritei no meio da sala quando vi que tu tá postando por aqui *^* )
    Deixa Mikau pegar DoSaB, nunca mais lê um final primeiro /qqq (se bem que, de fato, ele não terá se envolvido com a trama, nem dói tanto)
    Estou vendo quantas histórias têm um final feliz, e se a minha também tem chances de ter um > ASKDAKDASDKASDKASDLASDASDXKLASDLASLDKASKLDASKLDASLDALSK [CAÍDA NO CHÃO SE DEBATENDO] SIM MEU BB TEM MUITAS CHANCES SIMPLESMENTE OLHA PRO LADO!!!!!!
    — Por que você veio? > PORQUE ELA TE AMA
    E TU TAMBÉM A AMA
    ENTÃO FAÇA-ME UM FAVOR E TOMA JEITO
    E VÃO SER FELIZES JUNTOS
    — Eu tenho sido terrível para você nas últimas semanas. > QUE BOM QUE TU RECONHECE, TEU FDP :) AGORA TOMA JEITO ANTES QUE EU ENTRE AÍ E TE SURRE :)
    talvez ainda não se sentindo à vontade para ficar ao lado da parceira como costumava ficar > CHORANDO SANGUE Ç_______Ç PLMDDS ELES TEM UMA LIGAÇÃO TÃO LINDA, NÃO PODE TER SIDO PERDIDA ASSIM Ç______Ç
    Se quiser que eu pare podemos muito bem voltar a ficar no silêncio, ou eu o deixo em paz com seus livros para que se divirta o quanto quiser com os finais felizes dos outros > PAREM DE ENFIAR ESTACAS NO MEU POBRE CORAÇÃO Ç_________Ç PLMDDS É SÓ MANTER UM DIÁLOGO!!! SÓ ISSO!!! CÊS FAZEM ISSO FÁCIL!!! ACREDITEM EM MIM T^T
    — Bem, esperamos que ele ao menos tenha alguém especial para cuidar dele quando precisar.
    — É. Talvez tenha. Algumas pessoas contam com essa sorte > VOCÊ TAMBÉM CONTA, SEU BABACA. MAS CONTINUA ASSIM E VAI SER "CONTAVA" E_E
    — Se a boa graça de Arceus permitir, espero apagar de minha existência os tempos em que fui, e se fui, um Horsea completamente inútil, desprezível e imprestável > NÃO, NÃO, NÃO
    TU ERA FOFO, GENTIL, BB DA VIDA, ABRAÇÁVEL Ç_Ç
    E PEDIA A MILENA EM CASAMENTO E A DAVA GIRASSÓIS
    VOLTA PRA ELE PLMDDS Ç_Ç
    — Ah, então quer esquecer de quando nos conhecemos?
    — Praticamente não lembro mais. > NÃO
    TU TÁ MENTINDO
    FDP, TU TEM QUE ESTAR MENTINDO
    TO AOS PRANTOS COM ESSE MERDA
    MEU BOM ARCEUS, POR QUE CONTINUO SENDO OTÁRIA DE ACREDITAR??????PLMDDS DIZ QUE ELE TÁ MENTINDO Ç_Ç
    E ELE CONSEGUE SER AINDA MAIS BABACA
    MDS MIKAU VAI SE AFOGAR EM ALGUM LUGAR E_E
    (SIM AFOGAR PRA SER HUMILHANTE MESMO)
    — Bom, mas as pessoas podem mudar, não é?
    — E você já mudou, Mikau, mas para pior > EXATAMENTE
    PRA /MUITO/ PIOR
    DESGRAMA Ç_Ç

    ReplyDelete
    Replies
    1. O Kingdra não gostou muito do que ouviu. Estava disposto a consertar o erro. > TO VENDO UMA LUZ ??????
      POSSO TER ESPERANÇA DE NOVO ???????
      (FALANDO COMO SE TIVESSE PERDIDO ALGUM DIA, NÉ, É DA DROGA DO OTP QUE ESTAMOS FALANDO ("AND HOPE MAKES ITS OWN MAGIC" PFVR QUE SEJA VDD ESSE QUOTE))
      esse sc poderia ser nomeado de AEAEAEEAEAEAEAEAEahporramikauAEAEAEAEAEAEporramikauAEAEAEAEEp-o-r-r-a
      ELE PERGUNTANDO SOBRE ALGO QUE AINDA NÃO SABIA DELA ASDKADKASDKASDKASKDASKDASK (E AGRADEÇO TAMBÉM PELO PONTO DE QUE ADORO A MI E QUERO SABER TUDO DELA, YEP)
      Gente, a infância da Mi sempre foi conturbada ;---;
      ELES SE PROVOCANDO ASKDADKASLDKASDLASDKSALDASKDLASKLASDLKLAKSD "Não sente medo de mim?" "Estou disposta a correr o perigo." ASDKLASDKLASDLKASDKLASDMASLDMXASDXMASDASDKSAD
      Os dois trocaram olhares apaixonados que simplesmente não havia como esconder > SE ESTIVER OUVINDO GRITOS: SIM SOU EU SOU MUITO EU COM ORGULHO EU ASDKLALDKASMDASDM ASDMASDMASÇLDMSADMASDÇASÇDLASDLÇASDASÇASD
      PEDRA PRECIOSA PREFERIDA ÁGUA-MARINHA FOI HIPER A+ EIN
      O QUE MAIS LHE AGRADA NO MUNDO /VOCÊ/ ASKDAKDASLKDSALKDASKLDKASLDASDKLASDKLASDKLASDASKDJASLDASLKDMALSDASLDASLKDSAKLD
      AQUI JAZ UMA SHIPPER
      MAS ABSURDAMENTE FELIZ
      Pede desculpas não, ele mereceu essa u-u E RESPONDA, SENHOR ATIRADOR, SE NÃO TU VAI VER SE É TÃO INVENCÍVEL ASSIM
      GENTE ESSA ÚLTIMA FALA DELE
      E O BEIJO
      E O FINAL
      O FINAL ASDKADKLSADKLASDLKASLKDSALKDXASLKDASLKDASLKDLAKSDLKASDSADJKASDLKALKDS
      EU TO REALIZADA MANO
      MDS SIM ALKDSAMLDSMKLÇDASLKDASLDKSDLAKDKLSAADSKLDSAKLASDKJLSAKJASDKLASKLDADSKL
      mas pfvr se mikau puder parar de cometer alguns errinhos e talzs eu (e a mi) certamente não reclamo
      MAS TAUQIPARIUAD CASDKLASDMLKASDMASLDASDKALSDMASDKMLASLKASD
      NEM SEI MAIS O QUE TO ESCREVENDO
      SÓ TO CHORANDO MESMO
      gente eu posso tipo imprimir esse trecho final?????? e tipo tatuar????? colar nas paredes????? levar de motivador quando ficar triste}?????
      mds mano sério brigadão por esse sc ;uuu; tudo que meu coraçãozinho shipper precisava <3 <3 <3 <3 <3

      Delete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -