Posted by : CanasOminous Dec 15, 2014


CAPÍTULO 6
Decidindo Meu Caminho


Courtney era sempre a última a acordar. Tinha um sono muito pesado, e embora tivesse dormido do lado de fora na última noite, agora encontrava-se deitada de forma aconchegada na cama de Brendan. O garoto parecia já ter ir ido para a escola, mas ao contrário do último dia, a casa não estava nem um pouco silenciosa. A mulher vestiu-se rapidamente e colocou suas vestes do Team Magma que estavam sobre uma pequena poltrona, ela correu e desceu as escadas, encontrando assim seus companheiros, ajudando a mãe de Brendan com os afazeres da casa.
— Opa, a bela adormecida acordou! — sorriu Pierce, esticando os braços e indo dar um abraço na moça que o empurrou gentilmente para fora da casa pela janela.
— Qual de vocês me trouxe para dentro de casa ontem à noite?
Donny e Kenji apontaram para a janela onde Pierce jazia caído sobre um canteiro de flores, o homem saiu do quintal e voltou com o rosto manchado de terra, ainda com um influente sorriso em seu rosto.
— A ideia foi minha, princesa. Mas eu tive que ter ajuda de mais um batalhão pra te carregar pra dentro. Fala sério, você é muito pesada!
— Volta pro quintal. — respondeu ela, fechando a porta na cara de Pierce novamente.
Kenji encontrava-se ao lado da Senhorita Vallentin ajudando nos afazeres da cozinha, o jovem parecia saber muito bem como cozinhar os mais variados tipos de comida, e de certa forma ficava gracioso com um pequeno avental rosa que a mulher colocara nele. Donny empurrava os móveis maiores para que eles pudessem limpar as áreas mais empoeiradas, aproveitando para trocar lâmpadas e dar uma geral na casa naquela manhã.
— Seus amigos estão fazendo um ótimo trabalho, querida. E eles também são muito divertidos! — disse a mãe de Brendan, parecendo ser uma mulher indefesa ao lado do tamanho gigantesco de Donny que permanecia com um sorriso singelo no rosto.
— Vocês vão continuar por aqui arrumando as coisas? Eu preciso ter uma conversa séria com o chefe, tratando de assuntos sobre aquela missão... — explicou Courtney.
— Então pretendemos partir junto com você. — dizia Kenji, antes de serm mais uma vez interrompido pela moça.
— Quero que fiquem. Eu precisava ter uma conversa em particular com o Maxie. E por sinal, também precisava que vocês três fizessem algo extremamente importante para mim... Eu preciso que vocês busquem o Brendan na escola enquanto estou fora.
Pierce abriu a porta com pressa parecendo ter ouvido toda a conversa, soltando um rápido grito de surpresa ao ouvir a notícia.
— O quê?? Buscar na escola??
Kenji andou em direção da moça e tocou levemente em seu ombro enquanto tinha uma colher de sopa em sua outra mão.
— Fique tranquila Senhorita, o chefe vai entender que você não pôde cumprir a missão por motivos importantes.
— Pode deixar. Espero que não se atrasem para buscar o Brendan na escola, se não, serei obrigada a puni-los o mês inteiro. Diga a ele que estarei de volta antes do lanche da tarde. Nos vemos de tarde, pessoal!
Coutney saiu da casa e levantou Pierce que continuava caído em frente à porta, provavelmente pela pancada que recebera da porta em seu nariz.
— Toma conta do meu filhote, se ele estiver com um arranhão no braço você já sabe o que acontece com você.
— Pode deixar, chefia! E eu já te disse que você fica uma gata quando está brava?  — respondeu Pierce, recebendo outra pancada que agora o deixaria caído por várias horas.
— Você é um imbecil, mas um imbecil que eu gosto.

Courtney lançou seu Swellow, e após pegar um pouco de impulso foi capaz de alçar voo em direção do Mt. Chimney. O vento estava favorável, e ela poderia estar chegando ao ponto desejado dentro de poucas horas. Swellow estava totalmente revigorado, e agora planava por entre o céu com energia total. As nuvens continuaram passando, e o vento parecia estar a favor.
Não foram necessárias muitas paradas na viagem, e logo não demorou muito para que Courtney alcançasse a entrada oculta do Mt. Chimney na encosta de Lavaridge. O Pokémon ave subiu a montanha e deixou sua dona no local desejado. Ao chegar à encosta da montanha, Courtney visava ter uma conversa importante com seu superior. Ela aproximou-se da parede de pedras e limpou-as a procura de uma alavanca que dava entrada para uma das bases secretas dos Magmas.
O vento trazia as cinzas do vulcão, de forma que o local fosse forrado por uma coloração morta e cinzenta no chão. Courtney apalpou algumas pedras na parede e logo e encontrou a alavanca, e após acioná-la, teve acesso ao saguão principal da base.
Dois soldados foram atendê-la, e pareciam extremamente assustados ao deparar-se com uma das responsáveis pelos Magmas de forma súbita. Os dois fizeram sinal de continência esperando que não fossem julgados pela mulher que fazia questão de criticar alguém quando regressava à base, porém, se surpreenderam quando receberam um singelo aceno de Courtney daquela vez.
— Bom dia, rapazes.
Os dois se entreolharam de forma confusa, parecendo não acreditar no que viam. Courtney estava mais simpática do que antigamente, não era mais a mulher arrogante de alguns dias atrás.
Ela continuou seguindo pelos corredores subterrâneos dos Magmas em procura de seu líder Maxie. Cada porta passagem era marcada por soldados em constante transição de forma que a base fosse como um labirinto estreito e sem fim. As paredes tinham marcas do derretimento de magma no passado pela proximidade com o vulcão Chimney nas redondezas. Era um local muito belo para quem apreciava as histórias antigas do passado, embora os Magmas parecessem não importar-se muito em manter os vestígios, apenas visando a construção e o expandimento de suas bases secretas.
Courtney fora surpreendida quando um homem aproximou-se dela. Ele já era um conhecido, pois tratava-se de Tabitha o primeiro sub-administrador do Team Magma. Ele tinha músculos definidos e era claramente mais alto e mais forte do que seus companheiros, tendo a reputação por sua capacidade de liderança e sua aproximação com Maxie.
— Courtney! A fênix retorna de forma gloriosa após uma difícil missão designada por nosso chefe! — disse Tabitha.
— Onde está o Senhor Maxie?
— Ele está na sala dele, teve sorte de encontrá-lo aqui hoje, pois ele já estava de saída.
Courtney continuou seguindo até a sala parecendo não dar bola para o homem que agora seguia seu caminho. Ela estava muito concentrada, parecendo também estar preocupada com o que dizer para seu superior.
Ao chegar na sala não era de se surpreender com um local robusto, embora ainda cercada por objetos exóticos e delicados. Por ser localizado em baixo de uma montanha aquela sala tinha uma sensação de sufoco, era cercada por rochas negras, mas acompanhada por detalhes brilhantes de pedras preciosas com cores escarlate. Maxie permanecia sentado sobre uma poltrona enquanto lia um amontoado de papéis, e logo virou-se para Courtney quando a moça chegou em sua sala.
— Bem vinda, Courtney. — disse Maxie.
A mulher fez um rápido sinal de continência.
— Como foi a missão?
— Eu não a cumpri, e não irei cumpri-la.
Maxie quase cuspiu o vinho que tinha em sua taça, o homem virou-se bruscamente para Courtney, mas ainda sem perder sua postura, tornou a perguntar:
— O que disse?
— Senhor, acredito que tenha acontecido algum engano. Brendan é apenas um garoto de quatorze anos, ele não representa nenhum tipo de ameaça para nossa facção. Tive a oportunidade de estudá-lo por esse tempo, e sei que de forma alguma ele iria ser uma ameaça.
Maxie levantou-se e colocou suas mãos para trás, caminhando em direção de Courtney e rodeando-a enquanto ela permanecia ereta.
— Você era a pessoa mais qualificada a cumprir essa missão, então eu me pergunto: O que aconteceu para que a maléfica Courtney perdesse a sua maldade? Apenas pelo fato deste garoto, Brendan, ser apenas uma criança? Você sabe a ameaça que esse garoto realmente representa para nós?
Courtney manteve-se quieta por um momento.
— Norman, líder de ginásio da cidade de Petalburg. É o homem envolvido em antigos acontecimentos com os Magmas. Ele e sua equipe têm destruído nossos planos há muito tempo, quase chegou a destruir nossa Meteor Machine, e nos impediu de reviver Groudon em nossa primeira tentativa. Sim, Norman é o pai desse pequeno garoto da cidade de Littleroot. E agora você se pergunta: Por quê queremos matar este pequeno sujeito?
Courtney cerrou seus punhos, uma única palavra cobria sua mente. Chantagem. Pegariam o único filho do líder para chantageá-lo, era uma forma suja e fria de ferir um pequeno garoto inofensivo que não apresentava nenhum perigo. Coutney não acreditou ao ouvir tais palavras vindas de seu chefe, mas preferiu manter-se em silêncio.
— Agora entende o grau da situação? Porém, se você não foi capaz de cumprir seu objetivo, então eu acho melhor dar tal missão para outro integrante. Tenho certeza que Tabitha ou Mack cumpririam sem maior hesito. — disse Maxie em uma tonalidade provocativa.
Porém, Courtney levantou seu olhar e o impediu.
— Eu fico com a missão, e quem se intrometer em meu caminho será exterminado. — respondeu Courtney em uma tonalidade fria.
Maxie deu um leve sorriso cínico.
— Minha sub-administradora está de volta.
O homem tocou em seu ombro e se pôs a falar de forma falsa.
— Infelizmente alguns esforços são necessários para que os sonhos sejam realizados. Não perca a sua vontade para lutar, é uma ótima integrante do Team Magma, e eu sei que você cumprirá sua missão.
Courtney fez um sinal de reverência e retirou-se da sala. Sua mente estava confusa, não sabia em quem acreditar. Durante toda sua vida os Magmas a acolheram, pois por todos os anos foi sua única casa e família, mas agora, a sua própria família impunha que tivesse que fazer coisas ruins. Não sabia em quem acreditar.
Tabitha aparecera no caminho de Courtney para conversar com sua colega, mas a mulher o ignorara sem questionar. Ela se pôs a continuar caminhando pelos corredores, os soldados da entrada impediam sua passagem, e por algum motivo, as portas não abriam. Courtney virou-se para trás e deparou-se com Maxie mais uma vez, agora seguido de outros dois integrantes dos Magmas.
— Eu realmente espero que não torne a decepcionar-me, Courtney. A punição por falhar uma segunda vez será muito pior do que somente perder o seu cargo. — disse Maxie.
Courtney sentiu um imenso ódio capaz de socar aquele homem no mesmo instante, embora não pudesse fazer nada.
— Abra a porta. Estou com pressa. — disse Courtney de modo seco.
— Agora não. Acho que temos algumas coisas a resolver, se você falhou uma vez precisamos nos certificar de que não torne a errar novamente.
Dois dos integrantes andaram em direção de Courtney e seguraram-na de forma que não pudesse mais se mexer. Ela lutou, e derrubou dois homens antes que eles mantivessem o controle. Maxie pegou uma lança com uma marca em formato de “M” e após queimá-la no fogo ardente, apontou em direção de Courtney.
— Quem entra nos Magmas carrega para sempre uma marca deste ícone, não é verdade? Acho que precisamos nos certificar de que você é de nossa propriedade.
Courtney não ousava dizer nada, ela apenas debatia-se em murmúrios na tentativa de livrar-se daqueles impostores que a seguravam. Ela aproximou-se do rosto do homem e cuspiu para insultá-lo, mas ele tentou não perder sua postura.
— Eu mesma vou socar sua cara quando tiver a chance. — provocou Courtney.
Maxie levantou um pedaço da blusa da garota e tocou com a lança de ferro na região de seu abdômen, deixando uma marca eterna no corpo da moça. Courtney soltou um grito, parecendo quase desacordar pela dor que sentira. Ela caiu inconsciente, mas seu líder apenas ordenou que os soldados a deixassem em frente a caverna, pois quando ela acordasse, lembraria de nunca mais trair os Magmas.

• • •

Donny, Kenji e Pierce aguardavam o retorno do garoto na escola de Oldale. Já fazia uma hora e meio que eles esperavam, pois não estavam nem um pouco dispostos a correr o risco de atrasar-se. Brendan era sempre um dos últimos alunos a sair da sala, de forma que os três homens tivessem que esperar do lado de fora feito seguranças na escola. Algumas crianças que passavam ficavam admiradas com o tamanho de Donny, que se destacava em meio aos seus companheiros. Pierce usava óculos escuros e tinha um dos pés apoiados na parede, como alguém que já parecia farto de esperar, enquanto Kenji apenas observava as crianças que saíam.
Não demorou muito para que uma garotinha de cabelos loiros se aproximasse dos três. Ela tinha olhos expressivos e um grande sorriso em seu rosto, carregando uma mala de rodinhas e vestindo uma saia florida. Donny gostava da presença de crianças, enquanto Pierce não parecia nem um pouco disposto a conversar com alguém daquela idade.
— Vocês são os novos seguranças do colégio? — perguntou a garotinha.
— Não. A gente é os do saco que vai te levar embora se continuar nos perturbando e não se comportar direito. — respondeu Pierce de modo ignorante, fazendo a pequena garotinha sair correndo aos choros.
Kenji balançou sua cabeça negativamente.
— Você é muito indelicado.
— Tchê... Estamos aqui para buscar o garoto, não tô afim de ficar trocando ideia com essa molecadinha. Odeio escola, não é a toa que nem terminei o ensino médio...
Em seguida, a garota parecia ter voltado trazendo um policial ao seu lado.
— São eles ali, ó tio! Aqueles caras são o homi do saco!
            — Ei! Quem são vocês! Eu nunca os vi na cidade, e o que estão fazendo na frente da escola?! — indagou o policial.
Pierce ficou sem saber o que responder, mas por sorte Kenji sabia como ajudar seu companheiro a sair daquela enrascada.
— Somos os responsáveis por Brendan Vallentin, e estamos aqui para escolta-lo até sua casa sob permissão da Senhorita Vallentin. — explicou Kenji.
— Vocês me parecem suspeitos. E para que precisam de três homens gigantes para buscar um garoto do ensino fundamental?
— Ele é muito requisitado pelas garotas. Então viemos aqui para tomar conta e impedir que as mulheres acabem com ele, isso porque sua irmã mais velha, a Senhorita Courtney, acabaria conosco se ele voltasse ferido. E por isso fomos contratados como guardas oficiais para proteger o pequeno Brendan.
— Entendo, entendo. É bom vocês ficarem aqui para tomar conta das crianças, mas não quero ver ninguém mais vindo chorar para mim de novo, se não serei obrigado a levá-los para a delegacia! — disse o policial.
A garotinha virou-se para Pierce e mostrou sua língua. A vontade do homem era acabar com ela, mas Donny o segurava para que não fizesse nada de errado.
— É bom me segurar mesmo, Café. Se não daqui a pouco estou renunciando essa missão de buscar as crianças na escola. Acho que foi uma das tarefas mais difícil que pediram pra mim fazer. — resmungou Pierce.
— Nos salvou dessa, Kenji-san. — disse Donny, revelando sua rara voz que era raramente ouvida.
— Vocês não se vivem sem mim. — respondeu o jovem, ajeitando seus óculos.
Os três permaneceram esperando o garoto por cerca de dez minutos, quando finalmente Brendan surgira carregando um saco plástico com gelo em seu braço.
— Aleluia!! O pivete saiu da escola, vamos lá buscar ele e acabar com esse sufoco logo.
Brendan mal saíra da escola e logo se deparou com os três homens ao seu lado. O garoto parecia cabisbaixo, mas Donny logo tentou animá-lo.
— Aconteceu alguma coisa, Brendan? — perguntou Kenji.
O garoto não respondeu. Não demorou para que uma mulher logo se aproximasse. Ela tinha cabelos brancos e trazia uma feição de desprezo em seu rosto. Pierce não havia gostado daquela mulher desde o princípio, e quando ela passou a pronunciar-se ele percebeu que a odiaria ainda mais.
— Vocês são os responsáveis pelo garoto? Preciso ter uma conversinha séria com vocês, pois este garoto apresentou uma séria indisciplina em sala de aula.
Pierce, Kenji e Donny agora teriam que agir como responsáveis pelo garoto. Brendan continuava chateado e sem dizer absolutamente nada. A mulher levou os quatro até a diretoria e em seguida sentou-se.
— Nosso pequeno Brendan sempre foi um aluno exemplar na escola. Porém, envolveu-se em uma briga hoje por motivos banais. Ele socou um garoto na face e quebrou seu nariz, e nós não permitimos isso em nossa escola, nem mesmo alunos que são derrotados em batalhas realizam tal ato, e isso foi imperdoável. Por isso, decidimos punir Brendan com uma advertência até semana que vem.
— Socou o moleque e ainda quebrou o nariz?! Caraca, esse garoto é um prodígio, imagina só quando crescer! — elogiou Pierce, recebendo um olhar reprovador da diretora.
— Então já está explicado o motivo da indisciplina do garoto, afinal, andar com más influências sempre trás um mal futuro para qualquer criança.
Pierce encarou-a de modo sério. Ele não ligava em socar mulheres, crianças ou velhos, e se aquela conversa se estendesse seus companheiros sabiam que haveria encrenca. Logo, Pierce procurou uma forma de resolver a situação sem alvoroço.
— Senhorita Lucinda, qual foi exatamente o motivo pelo qual o jovem Brendan socou um companheiro de aula? — perguntou Kenji.
— Segundo a testemunha de seus coleguinhas, um dos garotos começou a criticar duas organizações criminosas de Hoenn. Os Magmas e os Aquas, não sei se os Senhores conhecem, afinal, não passam de um bando de bandidos mal intencionados. Porém, acontece que, por algum motivo, Brendan tentou proteger esses bandidos, mas um colega continuou a provoca-lo até que ele perdesse a paciência. Eu não compreendo o motivo da agressão.
Os três homens mantinham uma feição séria enquanto Brendan segurava-se para não chorar. Pierce apenas levantou-se e deu um rápido toque no ombro do garoto, pedindo para ele levantar-se e ir embora.
— Vamos sair daqui antes que eu quebre o nariz dessa velha também. — disse Pierce.
Donny e Kenji levantaram-se também, e num rápido sinal de cumprimento, deixaram a sala. Os quatro seguiram quietos por um tempo, mas logo Pierce pegou Brendan e colocou-o em suas costas de modo que ele tivesse visão sobre a escola inteiro. O garoto parecia fascinado, parecendo ter uma mistura de surpresa e felicidade.
— Mandou bem pivete, socou o moleque no meio do nariz! — brincou Pierce.
— Aqueles idiotas começaram a falar mal dos Magmas! Teve uma hora que eu perdi a paciência e soquei ele sem querer, mas eu não imaginei que isso teria acontecido... Minha mãe vai ficar furiosa comigo. Eu fiz errado?
— Politicamente sim, mas levando em conta a filosofia dos Magmas você ainda devia ter chutado a cara dele. — sorriu Kenji.
— Brigar não é legal. Nem para os Pokémons... — disse Donny.
— Isso mesmo Café, estamos falando à nossa maneira, mas que esteja bem claro que você nunca mais deve envolver-se em uma briga, demoro? — sorriu Pierce.
— Pode deixar, eu não vou arranjar encrenca de novo. — disse o garoto.
— Vamos te deixar em casa agora, pivete. Mas vamos fazer um trato antes: Se você não contar que arrumamos encrenca com uma garotinha na frente da escola, nós também não contamos que você levou advertência, fechado? — sugeriu Pierce.
— Beleza!! — sorriu Brendan animado.

• • •

Passaram-se algumas horas até que os três homens chegassem à casa do garoto. A mãe de Brendan descobrira no mesmo instante que o garoto recebera uma advertência somente por sua feição, afinal, é impossível esconder qualquer coisa de uma mãe. Brendan não sabia mentir, mas ainda assim não entregou seus companheiros.
O jovem perguntou de Courtney, mas a mesma ainda não havia chegado. Pierce e Donny continuaram a assistir televisão aguardando o retorno de sua companheira enquanto Kenji estava na cozinha ajudando no almoço. Passaram-se algumas horas, e Courtney ainda não havia voltado. Seus companheiros se preocupavam, pois ela havia dito que chegaria pela tarde.
Todos continuaram aguardando o retorno da moça por um longo tempo, e ela não era de se atrasar, o que era incomum naquele momento. Logo, já passavam das dez horas e nem sinal de Courtney. Pierce explicava que ela provavelmente estaria descansando em alguma montanha e voltaria em breve, mesmo que ele também estivesse preocupado com a mulher. Eles não queriam incomodar a rotina da mãe do garoto, e logo começaram a desligar as luzes para dormirem. Nenhum dos Magmas dormiria, e mesmo que Brendan estivesse na cama, ele não pregaria os olhos enquanto Courtney não chegasse.
— A Senhorita disse que voltava de tarde. Será que aconteceu algo? — perguntou Kenji.
— Qual é? Ela é foda mano, é nossa Courtney! Ela não iria se deixar levar por qualquer bobeira, acho que ela só está... sei lá, daqui a pouco ela volta. — disse Pierce, esticando seus braços atrás de sua cabeça — Vamos dormir, aposto que quando acordarmos ela já vai ter chegado...
— E se não chegar? — perguntou Donny de forma assustada.
— Se não chegar eu faço questão de virar esse continente de cabeça pra baixo pra encontrar ela.

Era por volta de meia noite quando Swellow chegou na cidade. A ave parecia estar muito cansada, quase não aguentando manter-se em pé depois de uma longa jornada. Courtney tinha um olhar frio estampado em seu rosto, e algumas de suas roupas dos Magmas estavam rasgadas. Da mesma forma que entrara na casa da primeira vez, ela não havia usado a porta. Aparentemente não queria chamar atenção dos colegas, e por isso havia entrado pela janela do quarto de Brendan.
Como uma sombra na escuridão, seus curtos cabelos negros voavam ao toque da janela que já estava aberta. Brendan havia deixado aberto na esperança de ter Courtney regressando da mesma forma de quando se conhecerem. Porém, dessa vez algo estava diferente no olhar da moça. Ela caminhou lentamente de forma que o som de seus passos foi escondido pelos barulhos noturnos. A moça parou logo ao lado da cama de Brendan, e de sua blusa, ela havia tirado uma faca pontuda extremamente afiada.
Brendan parecia adormecido. Courtney parou para a observá-lo em meio à escuridão por um longo tempo. A moça apertou a faca com força em sua mão direita e em seguida olhou para o rosto do garoto adormecido. Os olhos estavam de Courtney umedecidos, e ela parecia querer chorar à qualquer momento.
— Me desculpe, Brendan...


{ 6 comments... read them below or Comment }

  1. Estou adorando os capitulos até agora (estou atrasado, como sempre, mas como dizem: "Antes tarde do que nunca") isto é para nos fazer perceber como as pessoas podem mudar de acordo com as influencias. Pobre Pierce, pobre nada, ele chamou ela de GORDA e foi jogado pela janela, recebeu uma portada por isso e ainda recebeu um soco que fez ele ir a nocaute, é essa é a rotina do Pierce. Maxie, se eu encontrat com ele eu acabo com a raça dele, se ele tentar usar pokémons, eu uso um Dragonite e um Lucario pra acaba com ele (zoa). OPA! A Courtney vai cumprir sua missão? Brendan irá acordar e perguntar o que ela está fazendo com uma faca? Ou ela irá parar o ataque e se revoltar contra os magmas? Vamos ver no próximo episódio de Burning Love.
    De seu grande fã e amigo:
    ASS: João_Victor
    P.S: First.

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 11/01/12)

    ReplyDelete
  2. O_O Maxie fez da Courtney uma vaca que se é de alguem?! Não vou dizer para não banirem o post, mas o Maxie é um grande _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _!
    Quero que ele morra no quinto dos infernos, que Cerberus o engula!
    Toda vez que penso no Pierce, eu o imagino sendo assim: http://pokesho.com/img_chara/comic1/i_hokage.gif
    E sempre penso o Donny assim: http://pokesho.com/img_chara/comic1/i_ouka.gif
    E o Kenji eu penso como o Kojo (acho que é assim) de Digimon.
    Mas não tem problema não! Mudkip vai aparecer e soltar um Water Gun naquela faca! Courtney mata Maxie e depois Courtney se casa com Pierce
    ----------#FATO#-----------

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 12/01/12)

    ReplyDelete
  3. O episódio de hoje foi bem legal, parabéns. Haha, adoro o Pierce! Quero que a Courtney mate o Maxie! Coitado do Brendan, ele não fez nada para a Equipe Magma e deve ser morto? Coitadinho...

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 12/01/12)

    ReplyDelete
  4. Cara, que capítulo mara. Na minha opinião foi o melhor. Adorei a forma do Pierce, do Kenji e do Donny parecerem irmãos mais velhos do Brendan. Ficou ótimo! Mann que vontade de dar um soco na cara do Maxie. Soco não, queria dar um soco um chute um tapa... Mas enfim, o fim me deixou inquieto! Cara, vou dormir pensando no que vai acontecer! Muito bom Canas!

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 13/01/12)

    ReplyDelete
  5. Ah que raiva do Maxie, ele não devia ter feito isso, kkkk. Estou com ódio mortal dele, kkk. Gostei do Pierce, ele é muito engraçado.
    Muito bom!! otrma está apeas começando...

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 13/01/12)

    ReplyDelete
  6. Eu aposto numa historia de Romeu e Julieta.
    Courtney mata Bredan e se mata logo em seguida.
    Mas eu ainda não acredito que ela vai memso mata-lo! D=
    Espero logo pelo capitulo 7 D=

    (Comentário original feito na Arena Pokémon, no dia 16/01/12)

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -